Monarquia, Cidadania, Democracia

Privilégio vs Privilegiados

1 Comentário

Certa vez, num debate “Monarquia vs República”, ouvi um conceituado republicano dizer que “a Monarquia é um privilégio de uma Família”, devido à sucessão dinástica, alegando que seria uma tremenda injustiça. Esse mesmo republicano alegou também que numa sociedade livre e igual em direitos, ninguém deve chegar à Chefia do Estado por via consanguínea.

Estes argumentos são curiosos:

Desde quando todos os cidadãos “livres e iguais em direitos” conseguem, por exemplo, estar ao mesmo nível numa eleição presidencial?

Não serão as elites político-partidárias privilegiadas, em detrimento dos cidadãos livres que se candidatam à Presidência da República? Até porque quem participa sempre nos debates são apenas e só os candidatos apoiados pelos partidos, mesmo se os candidatos afirmarem as suas candidaturas independentes – muito disfarçadamente, claro!

E aqui chegamos à concepção que ambos os lados, monárquico e republicano, têm da Chefia de Estado.

Do lado monárquico entendemos que a sucessão dinástica garante a independência e isenção necessárias ao Chefe de Estado. E que é, um privilégio para um povo, ter uma Família Real que ligue o presente ao passado, e que seja o “farol” que nos ajude a encontrar o melhor caminho rumo ao futuro.

Do lado republicano, a um Presidente, sucede um outro, ao fim de 5 anos ou 10 – já que todos os Presidentes até hoje renovaram sempre os seus mandatos e só não fizeram terceiros e quartos mandatos, porque a Constituição da República Portuguesa não o permite!).

As eleições presidenciais, são mais um momento, em que claramente se ilustra o combate interpartidário nas várias candidaturas. Ora, como é que é possível, na véspera da eleição, o candidato ser “partidário – independente” e no dia seguir se apresentar como o primeiro representante do País? Mas quem é esse Cidadão, que metade da metade da população o elege (contando com a abstenção), e que de um dia para o outro se torna no “Presidente de todos os Portugueses”?

Os republicanos poderiam dizer que o candidato vencedor tem o mérito de atingir uma carreira política. Certo! Mas deve uma Nação como a Portuguesa estar de 5 em 5 anos dependente de uma eleição que ainda divide mais os Portugueses? Faz sentido ter alguém na Chefia do Estado, que verdadeiramente não representa mais do que a facção que o elegeu? Digam-me que socialista se revê no social-democrata Aníbal Cavaco Silva? Nenhum! Que comunista se reviu por exemplo na candidatura de Freitas do Amaral em 1986? Nenhum!

Este é que é o ponto: o Presidente da República torna-se num privilegiado, com alegado mérito, por vezes até duvidoso, que não tem a legitimidade histórica, além da legitimidade popular, para poder representar ao mais alto nível o Estado Português.

Como sou formado em História, sinto que tenho que dizer que Portugal teve bons e maus Reis e bons e maus Presidentes. Historicamente tivemos o que o destino assim o quis. 900 anos de História não podiam ser só um mar de rosas, como é evidente. Mas antes do 5 de Outubro de 1910 e depois desta mesma data, há uma clara diferença. Portugal tinha uma Instituição que encarnava e ilustrava a imortalidade da Pátria através de uma Sucessão Real inquebrável desde El-Rei Dom Afonso Henriques. O Povo Português olhava para o topo da Hierarquia do Estado e tinha o seu primeiro protector. Depois da revolta republicana, passámos a ter Presidentes da República afectos à classe política dominante. A Chefia do Estado transformou-se numa “cadeira” apetecível à ganância cega pelo poder.

Para os Portugueses seria um privilégio voltar a ter um Rei.

Concluí-se pois, que a Presidência da República é o privilégio das elites político-partidárias que disputam entre sí esse cargo.

Quando um Rei não tem pensões de reforma e um Presidente se queixa não ter dinheiro para as suas despesas, como o foi o caso, ainda recentemente e que ainda está na memória de todos nós, as conclusões são óbvias.

A Instituição Real é o serviço ao bem comum.

A Presidência da República é a divisão do bem comum.

Possamos nós um dia, ter o privilégio de fazer ouvir a nossa voz em referendo, e aclamarmos o nosso Rei, garantindo um futuro melhor para as próximas gerações, em vez de termos um Presidente preocupado com as próximas eleições.

Advertisements

One thought on “Privilégio vs Privilegiados

  1. Muito bem dito, subscrevo inteiramente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s