Monarquia, Cidadania, Democracia


Deixe um comentário

E Por Isso… O Povo É Monárquico!

Dom Carlos e o Povo

Os nossos antigos Reis criaram um Império de espanto através da Fantasia e da Espada e os que descrêem e desertaram desse Passado, neste Presente só de garganta, renegam o nome não só dos seus maiores, mas também negam a grandeza, no futuro, aos seus filhos, pois existe um tronco directo que liga Passado, Presente e Futuro.

O Povo simples e bom sempre soube que para seu Paladino só poderia contar com a solícita ajuda do Rei. Para o bem-estar comum a fórmula nunca foi outra se não o Rei: o Alto Critério, a Mão da Justiça, que sempre acolheu o Povo nas dobras do seu Manto evitando que sofresse nas mãos volúveis e cobiçosas dos políticos.

Ser Rei é ser o Pai da Nação e por isso no Rei está a Pátria inteira, Rei de Todos e para Todos, sem as excepções que os sufrágios criam por defeito de sistema que procura eleger para presidente de todos o representante de alguns. Um Rei justo e recto, duro para a soberba, brando com a fragilidade, Alguém que preze a Gente portuguesa, que possua o Ideal profundo e o alto Sentimento pela História oito vezes secular de Portugal que deu mundos ao Mundo quando quis.

Pulso firme, melhor cabeça, que por brios ter os nossos não quer tirar. Bem sabiam os nossos Reis que, primeiro deviam garantir os súbditos e só depois a Eles mesmos, visto que a Nação incarnavam: El-Rei Dom Manuel II tinha como divisa «Depois de Vós, Nós», premissa de que o Rei serve primeiro os interesses da Nação.

Os monarcas portugueses sempre assumiram o estatuto de “servidores do povo” e não, como outros o fazem, o status de nefelibata. Reinar não é um ganha-pão!

«Nunca esqueci, um instante sequer, quais são os meus deveres para com a minha Coroa e para com o meu querido País», declarou El-Rei Dom Carlos I.

A função do Monarca é personificar o carácter nacional e nenhum Rei esquece que a sua função Real é um Ofício que deve desempenhar com sentido de Missão. Só o Rei terá uma superior consciência dos problemas nacionais, pois o ofício de Rei é encarado pelo Monarca como a forma a reinar da forma mais útil e favorável para o País. Reinar é uma especialização na defesa dos interesses da Nação que nunca podem ser alvo de desdém e indiferença.

O Rei será o «defensor do equilíbrio da Nação», como foi estatuído nas Cortes de 1211.

Um Rei não é uma gótica iluminura, é o incomparável timoneiro-mor que com Sua voz tonitruante durante 771 anos despertou modorras para ir mais avante e espantou invasores quando assomaram ad portis portucalensis. O mais Gentil-homem amado pelos seus, temido pelo estrangeiro, onde o coração de Portugal palpita mais febrilmente, a Voz que solta a rajada de virtudes que como um ciclone barre o que se abastardou para que possa florescer a raiz da virtude.

E Por Isso… O Povo É Monárquico!

Miguel Villas-Boas – Plataforma de Cidadania Monárquica


Deixe um comentário

O Rei da Nação

1514111_370719176399862_158005239_nAutor: Miguel Villas-Boas *

A Nação é uma comunidade estável constituída, historicamente, com base num território, numa língua, e com aspirações materiais e espirituais comuns. A Nação é pois o agregado de indivíduos constituído por vontade própria e não reunido de uma forma acidental.
O Povo é usualmente concebido como um conjunto de indivíduos, que num dado momento histórico constitui a Nação. POVO E NÃO POPULAÇÃO! Pois não se trata apenas de um conjunto de pessoas que residem habitualmente num determinado território.
Por isso o Povo não pode ser apenas a margem de manobra dos políticos republicanos.
O que falta, então, para que Nação e Povo recuperem a sua expressão ampla?!
Falta o Rei de Sua Nação e do Seu Povo, independente e livre de estranhas tutelas!
O Rei traduz a vontade nacional, sentindo com o Seu Povo, fazendo seus os problemas deste e transmitindo as suas ânsias aos políticos.
O Rei, o Supremo Magistrado da Nação que, acima de tramas partidárias, independente de um calendário político, terá a tranquilidade e a legitimidade para actuar como moderador entre as várias facções políticas ou demais grupos da sociedade civil evitando conflitos e efervescência social.
Fonte de travões e contrapesos contra políticos eleitos que poderiam procurar obter poderes maiores aos atribuídos pela Constituição, El-Rei será, assim, em último caso, uma ressalva contra a ditadura.
O Rei é educado para essa função, uma vez que antes de ser Monarca é o herdeiro presuntivo que é lapidado para adquirir todas as competências e conhecimentos sejam políticos, técnicos, científicos e culturais para que esteja devidamente apetrechado para desempenhar com o máximo de aptidão o seu Ofício de Reinar.
O Rei assume-se como um funcionário da Nação e do Povo acautelando por cumprir qualquer das obrigações inerentes ao seu cargo, que encara como serviço. O Rei tem de reinar rectamente: Rex eris, si recte facias, si non facias, non eris. Não há político, algum, que tenha entranhado, arreigado esse espírito de missão como um Rei.
Um Rei que acautelará a manutenção da independência da Nação.

FACTOS RONPEN LEYS

Ser Rei, é ser Pai duma Nação!
– Ter o Poder de Deus; que dá ao Rei,
alçada de Juiz, foral e acção,
para quando falar o Coração,
Ele possa guiar a Cega Lei…

Um rei que ponha bem certas,
as contas que andem tortas;
e que sempre tenha abertas,
bolsa, orelhas e portas…

A bolsa, para dar a quem não tenha;
orelhas, para ouvir risos e pranto;
as portas, para entrar, filho que venha
acolher-se às dobras do Seu Manto!

Pai da Pobreza.
Mão de Justiça.
Nos olhos – largueza…
Eis a Realeza,
que a Pátria cobiça!

In “Velhos Forais do Aragão”

* Membro da Plataforma de Cidadania Monárquica


Deixe um comentário

Afeição pela Monarquia

1896771_360450937426686_1629483295_n

Autor: Miguel Villas-Boas *

«E cada página destas se devora com paixão, como se os novos se quisessem consolar da mediocridade inglória da república burguesa revendo, pela imaginação, as aventuras, as marchas, as vitórias, as fanfarras da epopeia imperial», escrevia assim Eça de Queiroz in “Notas Contemporâneas – Positivismo e Idealismo”.
De facto, nunca a concepção republicana burguesa despertará uma intensidade de emoções comparável com qualquer assunto relacionado com a Monarquia.
A afectividade depende de condições múltiplas que escapam ao domínio do estritamente racional, sendo que cada um tem uma maneira própria de sentir as coisas, querendo mais uma ou outra coisa. Mas a afeição além de ser necessária é natural, pois quem gosta é naturalmente feliz.
Existe um “elo” que liga os membros das famílias reais – em especial o Rei – ao Povo do seu País. Essa ligação é natural e intrínseca, e por isso quase nos impossibilita de explicar como nasce, mas todos verificamos e compreendemos que existe uma afectuosidade difusa entre os sujeitos que provoca um interesse atento e permanente a tudo o que são assuntos reais, que o Povo todo se alvoroça com a Presença da realeza e que “os primeiros entre os seus pares” só porque aparecem, dominam a atenção.
De tudo o que parece ligar Rei e Povo, nada há que possa parecer mais natural do que aquele dom que o Monarca tem de discernir e captar a vontade do seu Povo e fazê-la convergir para um fim comum a todos, e esse juízo é uma qualidade que faz o Povo sentir uma enorme exultação e empatia pelo seu soberano. Por isso o Povo dedica aos seus Príncipes uma alta estima, o que se lhe testemunha sempre que um determinado evento os congrega. Por isso podemos verificar que o Povo muitas vezes, sem moderação nas paixões e nas afeições, chega a adoptar um comportamento que se fosse dedicado a um político comum seria considerado extravagante.
Os casamentos reais são acompanhados pela multidão que sai às ruas para acompanhar o cortejo nupcial, muitas vezes vestindo carnavalescas máscaras com o fácies dos noivos reais. Os Jubileus dos Monarcas são comemorados efusivamente e com dedicação, porque um Rei ou Rainha sem altivez, não reclamam qualquer tipo de submissão ao Seu Povo, mas despertam pela Sua boa vontade e delicadeza o ganho natural da estima.
O papel histórico da Monarquia é potenciar através dessa relação, desse “laço”, a Democracia. Educado para a servidão de reinar, o Monarca cuidadosamente constrói essa relação com o Seu Povo, razão pela qual muitas vezes o próprio Monarca alcança um índice de popularidade ainda maior que o próprio sistema de governo monárquico. A exemplo, a Rainha Elizabeth II do Reino Unido tem um quota de popularidade de 80% e a Monarquia 78%. É uma diferença mais importante, certamente, se compararmos os escassos 23% de popularidade do presidente Hollande que o distanciam muito mais, mas pela negativa, do índice de “adeptos” da “republique française”, e que obviamente, só serve para o segundo comprovar as imperfeições do regime republicano, e da primeira evidenciar as qualidades do sistema de governo monárquico.

“Há entre el-rei e o povo
Por certo um acordo eterno:
Forma el-rei governo novo,
Logo o povo é do governo
Por aquele acordo eterno
Que há entre el-rei e o povo.”

João de Deus no poema Eleições

Para o Rei o País e o Povo são um só, são a Nação! O Rei não cai no erro da distinção, nem tão pouco “gosta” mais deste ou daquele “filho”, sim porque o Rei é um “Pater” e é encarado pelo Povo como tal, lembremos que os Czares e as Czarinas eram afectuosamente apelidados pelo Seu Povo de “Pai” e “Mãe”; até mesmo os próprios Césares, entre os seus inúmeros títulos, “ostentavam” orgulhosamente o de “Pai da Pátria”!
Não se pode esperar de um Chefe de Estado que apesar de não aprovar oficialmente, olhe convenientemente para o lado. Um Rei não faz isso, o Rei usa o Poder Moderador para reunir o consenso na obtenção do bem-comum, um factor de normalização, e, sem actos de poder pessoal. O Povo tem num Rei a principal forma de se afirmar, o que não acontece num regime político republicano em que os critérios políticos se afastam de tal modo da vontade dos cidadãos e dos seus interesses que este regime se lhes aparenta completamente alheio. Ora um regime político, numa democracia, não pode cristalizar sob pena do Povo perder o direito de se afirmar e de o reformar. E pior, a falta de participação deslegitima o sistema. Ora como escreveu Hegel: «a própria República de Platão é a imagem proverbial de um ideal vazio.» Ora sem ideal, sem espírito, sem força, sem referência, as repúblicas tendem a “desaguar” no destino da democracia grega e depois da república romana! De facto, «Platão é amigo, porém a verdade é mais amiga».
A afeição pela Monarquia vem exactamente do oposto, é que todos se sentem parte de um todo: a Nação; porque tem à cabeça do País um Monarca que personifica o carácter nacional, e que se exprime no serviço e na dedicação ao bem comum! O Rei ama a terra como se dela houvesse germinado e o Rei chefia e protege como pai o seu Povo. Como dizia a nossa velha lei: «em prol do comum e aproveitança da terra».
O Monarca encara ter um dever para com a Nação, a obrigação de preservar os direitos de cada cidadão do Seu Povo e o bem comum do Reino. Lembremos já as recomendações do moribundo Rei Dom José à futura Rainha Dona Maria I: «governar com muita suavidade, paz e justiça, promovendo a felicidade do povo».
Hoje por exemplo, no Reino do Butão, o Monarca consagrou mesmo o alcance dessa felicidade com força de Lei.

E a afeição vem também das recordações dos tempos das glórias passadas em que com coragem e espírito de sacrifício se alcançaram os mais altos feitos em nome e prol da Nação; da admiração pelos grandes homens – mais heróis do que idealistas – que fizeram o Reino grande! E assim a Grandeza da História da Monarquia confunde-se com a Glória da História da Nação!
E de tudo isto, de todo este misto de encantamento e factos, resulta de parte do Povo a sua enorme AFEIÇÃO PELA MONARQUIA!

* Membro da Plataforma de Cidadania Monárquica